Home / COLUNAS / Como se chega a violência

Como se chega a violência

“Moro em uma cidade de hum milhão e quinhentos mil habitantes. Ela tem apenas 75 anos de idade e quando cheguei aqui há 31 anos ela deveria ter uns 600 mil habitantes. Em três décadas ela cresceu quase 200%”.

violênciaMoro em uma cidade de hum milhão e quinhentos mil habitantes. Ela tem apenas 75 anos de idade e quando cheguei aqui há 31 anos ela deveria ter uns 600 mil habitantes. Em três décadas ela cresceu quase 200%. É de se imaginar que com essa explosão demográfica o que veio junto também assustou. O ano passado Goiânia foi eleita a cidade com melhor qualidade de vida. Mas temos muitos problemas. Problemas de tráfego (a 2ª maior frota de carros do país “per capita”) e os índices de violência? Também assustadores. Ontem mesmo assassinaram um empresário as 21 h, a alguns metros de minha casa, ao reagir a um assalto, e olhe que o crime aconteceu a apenas 100 metros de dois Comandos da Policia Militar, um inclusive, Comando de Elite.

Estamos vendo, aí em Iguaí, uma cidade com pouco mais de trinta mil habitantes, e que durante décadas foi sinônimo de PAZ, encontrar-se hoje entre as cidades mais violentas de nosso estado.O que quero dizer com isso é que a violência se instalou como uma moléstia grave em todas as nossas cidades, independente de tamanho, localização ou governo que a administre.É comum jogarmos a culpa em nossos governantes. Lógico que em muitos casos, ocorre omissão ou falta de políticas públicas decentes para que se amenize o problema. Mas a violência em que nossos jovens se encontram, em sua essência, cresceu com ele em um lar onde pais e mães não exerceram a sua devida função: a de orientar, educar, determinar limites, ser guia, ser sustentação e acima de tudo, ser ESPELHO.

Bem, e o que devemos fazer com as nossas crianças e jovens mal educados, mal instruídos e mal aproveitados? Que eles sejam reeducados em instituições com princípios básicos e estruturais capazes de mostrar-lhes um novo caminho a seguir. Fazer o papel que a sua família não exerceu. Sei que é difícil introduzir princípios de caráter em um adulto, mas já vimos tantos que se recuperaram quando tiveram uma oportunidade sustentável!…

Carl Rogers, um notável psiquiatra americano e um dos precursores da psicologia humanista e criador da terapia centrada na pessoa, afirma que toda pessoa tem o que chamou de tendência realizadora, o que a conduz à luz interior, que a arrasta para o crescimento. É preciso apenas que tenhamos pessoas capazes de mostrar aos jovens infratores que eles têm e podem seguir por caminhos melhores, se quiserem.

A nossa responsabilidade como cidadãos do mundo e como aprendizes e multiplicadores dos ensinamentos de Jesus, é de que devemos ter compaixão por pessoas que se encontram perdidas em seu caminhar. Eu disse COMPAIXÃO, por que este sentimento é diferente de “pena”. A compaixão faz com que você se iguale e entenda o que o outro está passando e procure uma forma de tirá-lo dali.

Por Sira Sirlene Rodrigues da Rocha

 

Sobre Beto Batalha | IguaíBAHIA.com.br

Érito Roberto (Beto Batalha) - Criador do Site IguaiBAHIA. Criado em Iguaí, onde viveu e estudou até os quatorze anos. Mudou-se para São Paulo em 1980, onde vive até hoje. Formado em Direito. Casado, com Maria do Socorro Rosa Freire, pai de 4 filhos, (dois do primeiro casamento, e dois do segundo casamento). Trabalha atualmente no Ministério Público do Estado de São Paulo.

Veja Também

Iguaí: Ibiporanga II Vence Riachão de Lô na abertura do Campeonato Rural 2017

Na tarde deste domingo, 01 de Outubro de 2017, por volta dás 15h20, no distrito ...

Deixe uma resposta