Home / DESTAQUE DE GIRO / Alemanha vence Argentina e conquista tetracampeonato

Alemanha vence Argentina e conquista tetracampeonato

Após 24 anos de espera, a Alemanha voltou ao topo do futebol mundial. Neste domingo, no templo sagrado do Maracanã, a ‘Mannschaft’ derrotou a Argentina por 1 a 0 na prorrogação e conquistou sua quarta Copa do Mundo.

Mario Goetze chuta a bola para o gol que renderia tetracampeonato para a Alemanha

O gol do tetracampeonato alemão veio apenas aos 12 minutos do segundo tempo da prorrogação com Mario Götze, que recebeu ótimo passe de Schurrle, dominou no peito e tirou de Romero sem deixar a bola cair.

A vitória também representa a redenção de Gotze, que começou o Mundial como titular, mas perdeu a vaga depois de algumas fracas atuações. Agora, o jovem atacante se tornou o herói da grande conquista da ‘Mannschaft’.

É difícil questionar o merecimento da seleção alemã, que chegou à final ao massacrar o Brasil por 7 a 1 na semifinal. A Alemanha iniciou um projeto de reformulação da equipe nacional para a Copa de 2006 depois do vice-campeonato mundial em 2002, derrotada por 2 a 0 pelo Brasil.

Já a Argentina de Alejandro Sabella acabou não conseguindo vingar a seleção de 1990, quando perdeu a final para a própria Alemanha, e terá que ficar pelo menos por mais quatro anos na fila.

Khedira se lesiona aquecendo

A festa estava pronta. Cerca de 74 mil torcedores de várias nacionalidades lotaram o Maracanã para ver Alemanha e Argentina decidirem o título da 20ª Copa do Mundo.

Apesar do esforço para poder jogar a grande final, Di María, que sentiu a coxa nas quartas de final contra a Bélgica, não se recuperou a tempo, mas ficou no banco de reservas.

Em seu lugar, o técnico Alejandro Sabella optou por escalar a mesma equipe que havia mostrado muita solidez contra a Holanda, nas semifinais, deixando Enzo Peréz e Lucas Biglia entre os 11 titulares.

Na Alemanha, Joachim Low foi obrigado a inovar. O volante Khedira, titular absoluto, sentiu dores no aquecimento e deu lugar a Christoph Kramer, jovem de 23 anos.

A proposta de jogo das duas equipes ficou evidente desde os primeiros minutos.

Sabendo da qualidade incomparável do meio-campo alemão, a Argentina se fechou bem atrás e deixou os europeus com a posse de bola, na esperança de matar o jogo no contra-ataque, graças à velocidade do craque Lionel Messi e de Ezquiel Lavezzi.

Aos 4 minutos, a estratégia argentina quase deu certo de cara. Lavezzi puxou contra-ataque pela direita, Higuaín recebeu dentro da pequena área e chutou cruzado. Neuer fez golpe de vista.

No ataque seguinte, aos 8, Messi deu a primeira arrancada, também pela direita, e deixou Hummels, um dos melhores zagueiros da Copa, para trás com extrema facilidade. Ao chegar na linha de fundo, o atacante cruzou para ninguém e a zaga alemã afastou o perigo.

Higuaín, autor do gol salvador contra os belgas, nas quartas, teve, em seguida, a chance que todo matador pede a Deus.

Aos 21 minutos, o centro-avante do Napoli recebeu um presente de Kroos, que recuou errado de cabeça, e apareceu cara a cara com Manuel Neuer. Na hora do chute, Higuaín se precipitou e errou completamente a pontaria, mandando a bola pela linha de fundo.

Aos 30, Higuaín teve oportunidade de se redimir. Lavezzi recebeu de Messi pela direita e cruzou na medida para o atacante, que pegou de primeira na marca do pênalti e balançou as redes.

Higuaín saiu comemorando como um louco, como se tivesse marcado o gol do título argentino, mas mal sabia ele que o árbitro já tinha paralisado corretamente o lance por impedimento.

Para piorar a situação da Alemanha, Kramer, que começou como titular por causa da lesão de Khedira, também se machucou e precisou ser substituído. O atacante Andre Schurrle entrou em seu lugar.

Os alemães contavam com o apoio da torcida brasileira, que gritava ‘Olé!” a cada toque de bola e respondia aos cantos argentinos com o famoso “Mil gols, Mil gols, só o Pelé!”. Os desfalques inesperados evidenciaram a qualidade do elenco alemão, que não perdeu a qualidade do seu jogo.

No fim do primeiro tempo, os comandados de Low colocaram a bola no chão e começaram a assustar o goleiro Sergio Romero.

Aos 37, Thomas Muller, com muita liberdade tática para se movimentar pelo campo, apareceu pela direita, deu um lindo drible de corpo em Zabaleta e ajeitou para Schurrle. O atacante do Chelsea pegou de primeira e Romero precisou espalmar para escanteio.

Ozil, sumido em campo, apareceu aos 43 e fez grande jogada. O meia do Arsenal tirou dois marcadores com um toque sutil e tocou para Kroos finalizar. Romero defendeu com segurança.

Nos acréscimos, a Alemanha quase abriu o placar. Num escanteio da direita, o zagueiro Howedes se adiantou à marcação e acertou uma bomba de cabeça que foi parar na trave argentina.

Jogo truncado

Após um primeiro tempo muito movimentado e emocionante, digno de uma final de Copa do Mundo, as duas equipes voltaram a campo para os últimos 45 minutos com as mesmas posturas.

Sabella, porém, tirou Lavezzi e colocou Sergio Aguero, habitual titular que ainda se recupera de uma lesão na coxa.

Como na primeira etapa, a Argentina foi a primeira a assustar o gol adversário.

Logo aos 3 minutos, Messi recebeu livre pela esquerda, invadiu a área e chutou cruzado. A bola passou perto da trave de Neuer.

Mas, dessa vez, a Alemanha demorou menos para reagir, conseguiu trocar passes com qualidade e parou de dar espaços ao ataque argentino.

Como a equipe de Sabella também se manteve sólida na defesa, o segundo tempo acabou sendo mais truncado do que o primeiro, com menos lances de perigo.

Messi, sempre ele, tentou acabar com a apatia ofensiva argentina apenas aos 33, quando recebeu na entrada da área, cortou para a esquerda e tentou chutar colocado. A bola saiu pela linha de fundo.

Nos últimos dez minutos de jogo, a Alemanha buscou de forma mais agressiva o gol do título, mas acabava pecando no último toque.

Aos 38, Ozil recebeu na ponta direita e rolou para Kroos finalizar na entrada da área. O chute saiu fraco e à direita do gol de Romero.

Não houve jeito de desempatar a final da Copa do Mundo no tempo regulamentar e os dois times tiveram que encarar a prorrogação, algo que ambas as equipes já haviam feito neste Mundial.

Götze heroico

No primeiro lance do tempo extra, a Alemanha quase marcou. Götze, que entrou no lugar de Klose, tocou e Schurrle, mais uma vez, chutou para boa defesa de Romero.

A torcida da Argentina, conhecida por nunca parar de cantar e apoiar seus jogadores, compareceu em grande número ao Maracanã, mas pareceu sentir o melhor momento europeu no jogo. Os argentinos só voltaram a incentivar o time aos 7 minutos, quando Palácio recebeu ótimo lançamento e ficou na cara do gol alemão. O atacante tentou encobrir Neuer, e a bola acabou saindo pela linha de fundo.

Mais sólida e corajosa, a Alemanha foi recompensada aos 12 minutos do segundo tempo da prorrogação.

O jovem Mario Götze, que entrou no lugar do veterano Miroslav Klose, recebeu ótimo passe de Schurrle, dominou no peito e tirou de Romero sem deixar a bola cair.

Com o gol, as torcidas brasileira e alemã, que por todo o jogo se uniram contra os rivais argentinos, explodiram de alegria.

Ao som do apito final, os ‘hermanos’ desabaram nas arquibancadas e em campo, chorando copiosamente mais uma derrota em finais para a Alemanha. Já os alemães, conhecidos pela frieza, não cabiam em si, e agora têm um quarto título mundial no currículo conquistado no país do futebol.

Com informações do Portal Exame 

Sobre Redação | IguaíBAHIA.com.br

Veja Também

Iguaí: Ibiporanga II Vence Riachão de Lô na abertura do Campeonato Rural 2017

Na tarde deste domingo, 01 de Outubro de 2017, por volta dás 15h20, no distrito ...

Deixe uma resposta