Home / DESTAQUE DE GIRO / Floresta Azul: Prefeita de tem representação encaminhada ao MP

Floresta Azul: Prefeita de tem representação encaminhada ao MP

Na sessão desta terça-feira (18/06), o Tribunal de Contas dos Municípios considerou parcialmente procedente o termo de ocorrência lavrado contra a prefeita de Floresta Azul, Sandra Maísa Balduíno Cardoso Marcelino, por irregularidades em procedimentos licitatórios realizados no exercício de 2011.

Reprodução
Reprodução

O Conselheiro Raimundo Moreira, relator do processo, solicitou a formulação de representação ao Ministério Público contra a gestora e imputou multa no valor de R$ 5 mil, mas ainda cabe recurso da decisão.

O termo versa sobre irregularidades na contratação direta, mediante dispensa de licitação, da empresa Maria Nice dos Santos Rocha, com vista ao fornecimento de combustíveis, no importe de R$ 124.342,79, importância esta que supera o limite previsto no no art. 24, II, da lei nº 8.666/93, restando, portanto, configurada a violação do quanto disposto no art. 37, XXI, da Constituição Federal.

Destaca ainda a realização de pagamento de despesa, no importe de R$ 170.526,61, à Ibicaraí Comercio de Derivados de Petróleo Ltda, entre os meses setembro a dezembro/2011, portanto, sem o devido amparo legal tendo em vista que posteriores à rescisão do contrato com a referida empresa, ocorrida em 24/08/2011. Completa, relatando que foram efetuados pagamentos a esta empresa no total de R$ 642.578,31 e o valor efetivamente contratado foi de R$ 483.848,00, ocorrendo pagamento a maior de R$ 158.730,31 sem amparo legal.

A relatoria concluiu que, apesar da gestora ter descaracterizado o pagamento sem amparo legal de referência ao mês de setembro/2011, entende que não poderia o Município de Floresta Azultornar a adjudicar, em 28/09/2011, à empresa Ibicaraí Comercio de Derivados de Petróleo Ltda o objeto do Pregão Presencial nº 018/2011, única a apresentar proposta como ocorreu no Pregão Presencial nº 003/2011, mormente porque contratou diretamente, em 31/08/2011, mediante dispensa de licitação, a empresa Maria Nice dos Santos Rocha, cuja pessoa física é também proprietária da empresa mencionada anteriormente, que teve contrato rescindido por alegados fatores supervenientes e de natureza fortuita em 24/08/2011. Estes fatos oferecem indícios de direcionamento nos procedimentos executados pela Comuna, beneficiando em última análise o mesmo credor já que ambas as empresas pertencem à mesma pessoa, em afronta aos princípios constitucionais da moralidade, legalidade e impessoalidade.

Sobre Redação | IguaíBAHIA.com.br

Veja Também

Iguaí: Ibiporanga II Vence Riachão de Lô na abertura do Campeonato Rural 2017

Na tarde deste domingo, 01 de Outubro de 2017, por volta dás 15h20, no distrito ...

Deixe uma resposta